3 dicas para uma Gestão de Estoque mais assertiva!

gestão de estoqueTer maior assertividade na Gestão de Estoque traz por consequência índices mais elevados de faturamento e lucratividade.

Todo negócio que necessita de um estoque, seja para matéria-prima ou mesmo produtos prontos, depende de um maior rigor no controle do mesmo para poder alcançar seus resultados de forma satisfatória.

De forma sistêmica, podemos listar 3 pontos que conferem a Gestão de Estoque uma maior eficiência de resultados:

1 – Informação

É de fundamental importância para uma gestão efetiva de estoque como são cadastradas as informações que chegam até o estoque e de que maneira as mesmas são tratadas, pois se as informações forem distorcidas em algum processo, todo o restante do acompanhamento torna-se inútil;

2 – Organização

Tanto de informações, como de produtos (ou materiais), a organização é algo imprescindível para que seja possível aferir resultados. Caso não se tenha um estoque organizado, física e sistemicamente, dificilmente se obterá resultados satisfatórios, ou reais, sobre o negócio;

3 – Análise/Controle na gestão de estoque

Verificar constantemente, para fiscalizar a organização e a precisão das informações, assim como controlar os dados e os produtos, para que não se tenha um estoque excessivo e obsoleto (que a demanda seja muito baixa).

Estes três pontos, ou práticas, devem ser obviamente aprofundadas para que problemas maiores sejam evitados. Estes problemas podem acontecer através de erros de cadastros, desatenção na verificação de pedidos e demandas, assim como má organização do estoque físico, extravios por meio de negligências ou desatenção, assim como itens sem conferência, tanto na entrada quanto na saída dos materiais ou produtos. Simples ou mais complexos, estes podem ocasionar retrabalhos e prejuízos maiores quando finalmente são apurados, e a descontinuidade de uma gestão assertiva pode levar, até mesmo, um negócio a falência.

Melhores práticas na Gestão de Estoque

Importante também que, em uma Gestão de Estoque assertiva, alguns pontos-chave e/ou práticas sejam levados em consideração:

  • Diminuição do estoque obsoleto: evitar custos com materiais que não possuem demanda e tampouco importância para o negócio;
  • Abastecimento da produção: identificação dos produtos e/ou materiais que possuem maior necessidade (não demanda) para a continuidade do negócio;
  • Verificação de demandas: saber analisar corretamente o que é algo “demandável” ou “sazonal”;
  • Conhecimento do produto e suas finalidades
    as peças-chaves de um produto e de um negócio, às vezes, não são as que tem mais demanda, mas aquelas que imobilizam algum bem pela sua falta, tanto como produto principal ou por ser de obrigatoriedade a troca junto a outro item. Esse conhecimento se deve, geralmente, à prática no dia a dia;
  • Controle de entradas
    onde se deve ter uma atenção toda especial aos detalhes. Caso a empresa não disponha de uma ferramenta ou mesmo um sistema que lhe garanta a simplicidade desta entrada, corre-se muito risco de erro humano neste procedimento;
  • Contagem do estoque: deve ser programada e feita de forma a não atrapalhar a rotina dos processos, pois pode levar a erros. Assim como deve ser conferida para uma possível verificação de divergência;
  • Verificação de pedidos: analisar os pedidos, principalmente os urgentes e em atraso, é a forma mais efetiva de se evitar prejuízos. Os pedidos devem ser analisados diariamente para que não haja falhas nesse processo, de preferência através de uma ferramenta que disponibilize informações automatizadas;
  • Apuração de descontos e comissões: é fundamental analisar qual o percentual líquido que pode ser comissionado e também até que percentual pode ser aplicado um desconto. Uma boa formação de preços auxilia bastante nessa hora, com utilização de mark-up;
  • Controle do giro de estoque: identificar quantas vezes o seu estoque gira no mês para entender quão saudável o mesmo se encontra. Lembrando que, todo estoque que acaba por ficar abaixo de um giro por mês, deve ser analisado ainda mais profundamente;
  • Apurações de lucratividade: saber as margens e, principalmente, o lucro real que seu estoque está produzindo é parte integrante de uma gestão efetiva e assertiva. Um sistema que lhe possibilite analisar isso irá lhe proporcionar muito mais segurança.

Todas estes pontos-chave e/ou práticas estão relacionadas à boa gestão do estoque. Porém, deixar de analisar os custos e, principalmente, o que está ocasionando estes custos é algo que não pode fugir ao controle. Quais são os itens obsoletos? Por que eles estão alocados em tais locais? O que aconteceu para não terem saído? São perguntas que devem ser feitas constantemente para evitar erros futuros.

Verificação na Gestão de Estoque

Verificar constantemente os valores dos fornecedores atuais, assim como pesquisar outros é também uma prática importante para se garantir uma boa gestão de estoque. Infelizmente nos acomodamos com algumas rotinas e acabamos por deixar oportunidades de melhores preços e/ou qualidade para o negócio.

Fatores relacionados a custos podem gerar perdas que, quando apuradas, podem ser irreversíveis para o seu negócio. Entender que se deve trabalhar com “estoque mínimo” – deve ser cautelosamente analisada esta afirmação –, é um bom caminho, porém pela sazonalidade pode ser que seja uma estratégia sem fundamento.

Agora que você já sabe quais os 3 pontos que conferem a Gestão de Estoque uma maior eficiência de resultados – informação, organização e análise/controle –, e seus benefícios (mais assertividade nos processos, confiabilidade das operações, rentabilidade e lucratividade, menos problemas administrativos e fiscais, entre outros), baixe o nosso e-book CONHEÇA OS 20 PRINCÍPIOS PARA UMA GESTÃO DE ESTOQUE MAIS EFICAZ.

Uma ótima leitura para você! E uma Gestão de Estoque mais eficaz para a sua empresa!

 

gestao-de-estoque-conhecer-para-transformar-face