Radar RVI – NF-e é a solução que automatiza a recepção, validação e integração de notas fiscais eletrônicas

Novidade no mercado, ferramenta desenvolvida pela WK Sistemas minimiza erro humano e traz economia de 80% no tempo de digitação de documentos fiscais.
 
Desde o anúncio feito em 2007 pela Receita Federal sobre a obrigatoriedade na emissão de notas fiscais eletrônicas, já foram apresentadas ao mercado diversas soluções para envio de documentos eletrônicos. No entanto, a recepção, validação e integração das informações contidas nas notas fiscais continuam dependentes de operações manuais.

O trabalho envolvido na recepção de grandes volumes de notas fiscais eletrônicas não é simples, e envolve diversos processos. Ao receber a NF-e por e-mail, a empresa precisa salvar cada anexo no local adequado e somente após verificação da validade e veracidade do documento na Receita Federal. O processo deve ser repetido a cada nota fiscal eletrônica recebida. Se a empresa recebe grandes volumes de notas fiscais, o controle precisa ser o mais automatizado possível, para minimizar falhas humanas ou multas por parte da Receita Federal, na hora de encarar a fiscalização.

Lançada pela WK Sistemas em sua última Convenção Nacional de Canais, a ferramenta Radar RVI – NF-e (Recepção, Validação e Integração de Notas Fiscais Eletrônicas) vem atender a estas necessidades de automatização da recepção, validação e integração das informações contidas na nota fiscal eletrônica. Com o Radar RVI – NF-e também é possível a integração completa e automática das informações na ferramenta WK já instalada. Além disso, esta é a única ferramenta do mercado a gerenciar as entradas de NF-e dos diversos clientes dos escritórios contábeis. “O Radar RVI – NF-e recepciona, valida e integra as NF-e de todos os clientes do escritório contábil, o usuário apenas comanda a importação dos dados, também de forma automática e inovadora” explica Sidcley Silva, analista de negócios da WK Sistemas.
 
A validação da NF-e no sistema da Receita Federal depende ainda da conexão dos ambientes da Secretaria da Fazenda Estadual e Federal. “Para verificar a legitimidade da NF-e, o Radar RVI – NF-e confere se a conexão da Secretaria da Fazenda está operante sem precisar de acesso direto a internet pelo colaborador“, explica Sidcley. “Com o surgimento da NF-e, a fiscalização federal passou de reativa para ativa“, complementa.
 
Sem o Radar RVI – NF-e, para validar cada uma das notas recebidas, o colaborador precisa entrar no site da Receita Federal, digitar os 44 números do DANFE (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica), uma representação simplificada da NF-e. Em seguida deve digitar  um código de segurança. Com isso se gasta muitos minutos de trabalho extra para cada uma das notas recebidas. Com a solução desenvolvida pela WK Sistemas, o arquivo válido migra automaticamente para a pasta pré-determinada e, posteriormente, para a base de dados. O não válido segue, então, para outro local com o motivo exato da não validação. “O Radar RVI – NF-e traz uma redução de cerca de 80% no tempo de digitação dos documentos fiscais. Um enorme ganho de produtividade que minimiza a chance de erros“, destaca Sidcley.
 
Este ano estima-se que cerca de 500 mil empresas serão obrigadas a aderir a NF-e, e com isto, praticamente todas elas também receberão estes arquivos de seus clientes e fornecedores. Segundo manda a lei é preciso armazená-las adequadamente por cinco anos, como era feito com as notas em papel.
 
2010 – PRÓXIMAS OBRIGATORIEDADES

  • Abril: mais de 200 ramos de atividades (metalurgia, informática, descartáveis, vidro, eletrônicos, eletros).
  • Julho: mais de 100 ramos de atividades (construção, fundição, lâmpadas, bicicletas, material escritório, móveis).
  • Outubro: mais de 245 ramos de atividades (extrativismo, conservas, tecidos, facção têxtil, instrumentos musicais, jornais e revistas).
  • Dezembro: todas as indústrias, atacadistas, empresas com operações interestaduais e com autarquias públicas (indústrias, atacadistas, interestaduais, administração pública).