Radar ECF: qual a melhor indicação de impressora fiscal?

O Radar ECF permite ganho real no processo de comercialização e controle administrativo-gerencial das empresas que, legalmente são obrigadas a emitir cupom fiscal atendendo à legislação específica de cada Estado.
 
Possui controle de acesso aos dados por usuário, garantindo assim que as informações geradas e mantidas permaneçam seguras e sigilosas. Para os clientes que já possuem produtos do ERP Radar Empresarial, o Radar ECF está preparado para fazer a integração on-line com o Radar Estoque, gerando os movimentos de baixa no estoque dos itens vendidos através do cupom fiscal e demais módulos como Radar Financeiro, Radar Contábil e MTFiscal.  Além disso, integra com o Radar Comercial, gerando e contabilizando as notas fiscais.
 
O Radar ECF permite também efetuar TEF (Transferência Eletrônica de Fundos), recurso esse que viabiliza o pagamento da venda pelo cliente através de cartões de Crédito, Débito e CDC (Crédito Direto ao Consumidor com débito parcelado) pelas redes TecBan, RedeCard, American Express, Visanet, Pay&Go (Vale Refeição/Vale Alimentação) e Hipercard.
 
Além disso, o Radar ECF possui certificação PAF-ECF (Programa Aplicativo Fiscal – Emissor de Cupom Fiscal, sendo compatível com cinco marcas/modelos de equipamentos ECF: Daruma, Elgin, Sweda, Epson e Bematech.
 
Vale ressaltar que ao indicar a compra de impressoras Bematech, deve-se estar atento para o fato de que este fornecedor comercializa uma solução completa para emissão de cupons fiscais. Então, ao indicar Bematech tem-se o risco do cliente preferir comprar o "pacote completo" deste fornecedor, isto é, equipamentos, software e serviços.
 
Sendo assim, nas negociações envolvendo o Radar ECF, a sugestão é que os canais indiquem Daruma, Elgin, Sweda ou Epson como marcas de impressora fiscal. Estes quatro fornecedores comercializam apenas os equipamentos e, em questão de qualidade, se equiparam à marca Bematech. Portanto, ao indicarmos Daruma, Elgin , Sweda ou Epson não corremos o risco de perder a venda para o próprio fornecedor da impressora fiscal, sendo esta uma decisão, no mínimo, cautelosa.