O Futuro dos Escritórios de Contabilidade

Tudo leva a crer em uma forte tendência na redução do número de escritórios, em uma mudança no perfil dos profissionais da contabilidade e na especialização dos serviços.

Oferecer mais que contabilidade será, portanto, fundamental. Vários escritórios (que agora estão adotando a forma de se chamarem Empresas de Contabilidade) já estão oferecendo mais serviços agregados, principalmente no que tange a tecnologia, isto também causa pressão sobre os menores. Somente fazer a contabilidade, já não interessa mais a maioria dos clientes que são organizados e querem crescer de forma segura.

E esta pressão causada pela concorrência dos maiores dificulta para quem está começando, pois requer conhecimento multidisciplinar, coisa que as faculdades estão longe de ensinar, e o início de carreira não oferece suporte suficiente para tamanha pressão. Por outro lado cabe também ao empresário contábil ver o seu escritório como um negócio, colocar o seu lado empreendedor nesta situação e procurar oportunidades, parcerias, ampliar conhecimentos.

Não podemos esquecer também uma questão histórica (que prejudicou muito a imagem do profissional contábil) que partiu de muitos profissionais da classe, quer fosse por estarem mal informados ou por desleixo, que escrituravam somente o Livro Caixa de seus clientes (mesmo sendo a escrita contábil fundamental para gestão e obrigatória por lei), e não apresentavam sequer um relatório contábil para o cliente.

Além do que as visitas ao cliente ocorriam (quase nunca) não sendo somente para retirar/entregar documentos e cobrar honorários, sendo tudo isto realizado na maioria das vezes por um office-boy. Estes fatos deixaram uma imagem negativa a ser revertida. Fazendo o empresário ver o Contador/Escritório como mais uma despesa e não um parceiro fundamental no seu crescimento.

Selecionar os clientes, livrar-se daqueles que só dão trabalho e pouco lucro também é fundamental!

Por outro lado ocorre também a especialização de muitas empresas de contabilidade: alguns fazendo somente a folha de pagamento para empresas e mesmo para outras empresas de contabilidade (o que por um lado é muito bom para quem terceiriza pois reduz custos). Outros especializados na área de educação, atendendo somente escolas; no terceiro setor, atendendo OSCIPs, Associações e Fundações; na área médica, atendendo médicos, clínicas médicas, laboratórios e hospitais. Fora aqueles que atendem somente o setor de serviços e, ainda, escritórios/empresas de contabilidade que oferecem treinamentos sobre gestão aos seus clientes.

Com certeza oferecer somente os serviços contábeis não será mais suficiente, a não ser para clientes pequenos. Isto até o Governo Federal criar algo mais abrangente que o MEI e também não exigir contabilidade destes pequenos, o que pode tornar o mercado ainda mais restrito e competitivo.

Outro detalhe importante: a contabilidade é um serviço essencial a qualquer empresa e não somente uma exigência do governo. Sendo obrigatória ou não é uma ferramenta para a gestão de qualquer empresa. Todas as ações de uma empresa são registradas pela contabilidade, sendo esta o único recurso confiável para a gestão eficiente de qualquer empresa que deseja crescer baseada em informações sólidas.

Fonte: Portal Contábil | Adaptado de Alexandre Ferrão.