IFRS é uma oportunidade para as PMEs, não uma ameaça, diz especialista

Laudelino Jochem ministrou palestra durante o 1º Fórum Gestão na Era Digital, promovido pela WK Sistemas

A implantação das normas internacionais de contabilidade (IFRS, da sigla em inglês International Financial Reporting Standards) no Brasil representa uma grande oportunidade para micro e pequenas empresas alavancarem seus negócios, e não uma medida que vai beneficiar apenas as grandes corporações, ao contrário do que muitos pensam. A padronização dos procedimentos contábeis possibilita uma série de diferenciais competitivos às PMEs, como facilidade para importação e exportação de produtos e serviços, acesso a crédito internacional, possibilidade de receber investimentos externos e redução das taxas de juros.

Todas essas vantagens foram apresentadas por Laudelino Jochem, que ministrou a palestra “IFRS – Impacto para as micro e pequenas empresas” no encerramento do 1º Fórum Gestão na Era Digital – SPED e IFRS, promovido pela WK Sistemas na última segunda-feira, em Blumenau. Professor universitário e autor de livros como “Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas: de acordo com as normas internacionais IFRS e do CPC”, Jochem já comandou mais de 200 treinamentos sobre IFRS.

Laudelino Jochem é um dos diretores da AIC Consultoria Empresarial, empresa paranaense com sede na cidade de Pinhais que recentemente fechou um acordo operacional com a WK Sistemas. Através do acordo, a AIC passa a indicar o ERP Radar Empresarial da WK Sistemas nas palestras, treinamentos e demonstrações das aplicabilidades do IFRS. A WK Sistemas, por sua vez, contará com o apoio de técnicos da AIC para atendimento a clientes que necessitem de consultoria especializada na adequação de seus procedimentos contábeis relacionados ao IFRS.

Todos os softwares da WK Sistemas já receberam adaptações que atendem aos procedimentos exigidos pelo IFRS.

Diante de um público de cerca de 70 pessoas, Jochem reforçou a importância de se estabelecer uma linguagem contábil universal padrão, única e compreensível a todos, apesar de reconhecer que é impossível criar um sistema que atenda todas as culturas. “Já não existem mais fronteiras. Hoje podemos ser contadores em todo o mundo. Existe uma série de oportunidades abertas, mas precisamos estar preparados para elas”, disse.


Laudelino Jochem ministrou a palestra “IFRS – Impacto para as micro e pequenas empresas”
no 1º Fórum Gestão na Era Digital – SPED e IFRS.


Ao final da palestra, Laudelino Jochem propõe brinde a uma parceria de sucesso:
Empresário, Empresa Contábil e WK Sistemas.

MUDANÇA CULTURAL
Um dos principais entraves para a disseminação do IFRS no Brasil é a cultura empresarial de pequenos empreendimentos, apontou Jochem. “Muitas micro e pequenas empresas ainda acham que não precisam da contabilidade”. A ausência das demonstrações contábeis, no entanto, pode ser uma barreira no crescimento desses empreendimentos. “Estar adaptado ao IFRS é uma das primeiras coisas exigidas para empréstimos internacionais e parcerias com empresas de fora”, exemplificou o especialista.

Mais do que uma exigência da Lei – e muitas empresas só irão adotar as novas práticas porque são obrigadas –, a implantação das IFRS é uma questão de princípios, que deve ir além da preocupação com o Fisco. Ela é uma valorização da contabilidade para fins de negócios. “Precisamos dessa padronização para manter o Brasil competitivo. Os investimentos cresceram, e o mercado financeiro está exigindo isso”.

GESTÃO DA INFORMAÇÃO
Para Jochem, não adianta de nada ter em mãos informações valiosas se elas não forem bem aproveitadas. É por isso que as empresas precisam ter um bom suporte tanto de escritórios de contabilidade quanto de um bom software de gestão, que estão diretamente ligados à operacionalização das novas normas.

Pioneira no desenvolvimento de sistemas contábeis no país, a WK Sistemas também foi uma das primeiras empresas a adaptar soluções tecnológicas para essa nova realidade. “Tanto nossos sistemas contábeis quanto o ERP Radar Empresarial agregaram funções que conferem total tranquilidade às empresas no que tange à adaptação e atendimento das exigências do IFRS”, assinala Estanislau Mário Balzan, diretor de Marketing da empresa.

Balzan enfatiza que a implantação do IFRS poderá afetar drasticamente a rotina contábil das empresas que não possuírem a tecnologia adequada para gestão de seu negócio, pois a contabilidade passa a ter duas visões: a “tradicional fiscal” e a nova visão de “contabilidade societária”. “É indispensável que os sistemas de gestão estejam completamente integrados, desde o operacional até a área contábil para que os demonstrativos exigidos pelo IFRS possam ser gerados”, ratifica.

Oportunidades para MPEs que implantarem o IFRS:

  • Facilidade para importação e exportação de produtos e serviços;
  • Acesso ao crédito internacional;
  • Possibilidade de receber investimentos externos;
  • Crescimento das empresas, tornando-as de grande porte;
  • Parceria no exterior (joint-venture);
  • Economia globalizada;
  • Atendimento às exigências do mercado (licitações, bancos, etc.)

*Para obter mais informações sobre o WK IFRS, clique aqui.