Conto do menino manco

*Por Christian Andreves Bugmann, consultor da WK.

Há alguns dias recebi um e-mail de meu irmão, Charles Andrei Bugmann, contando uma história de um menino que mancava. Achei muito interessante e vou compartilhar neste artigo e fazer um breve comparativo.

O texto contava a história de um garoto que jogava o velho futebol “rua de cima contra rua de baixo”, e havia um garoto que fingia se machucar e mancava durante o jogo. Quando questionado o motivo de agir daquela forma ele responde: “Eu manco para o jogo parecer que está mais difícil para mim, todo mundo vai reparar que me esforcei, porque estava jogando machucado. Tanto faz se vamos ganhar ou perder. As pessoas vão ver que eu joguei machucado e serei um herói de qualquer maneira”.

Trazendo este assunto para a realidade, se você trabalha em uma grande empresa, olhe ao redor e verá uma pessoa “mancando” pelo escritório. É aquele sujeito que está sempre reclamando do quanto tudo é difícil pra ele, que as piores coisas sempre acontecem com ele, que o computador trava, que o prazo é curto, os pepinos sempre vem pra ele, que a vida está complicada ou que finge mancar para dizer que tem muito trabalho quando é o contrário.

Hoje é cada vez mais comum as pessoas expressarem nas redes sociais o quanto é difícil isto ou aquilo, somente para valorizar ao extremo o que está fazendo. Reclamando do chefe, da falta de grana ou do trânsito. O ato de reclamar exageradamente de tudo e de todos parece a válvula de escape para se livrar dos problemas. Pense da seguinte forma: todos no trabalho estão trabalhando, mas aquela pessoa está derrotando as adversidades e se superando de forma quase desumana.

Você pode reclamar, se queixar para as pessoas, mas isso não vai adiantar de nada. Seus problemas são seus e eles têm os problemas deles. O menino mancando, na verdade, nem será lembrado, mas sim quem fez o gol da vitória e realmente se esforçou.

Como dizia o texto enviado por meu irmão: “se a regra é matar um leão por dia, reclamar que a espingarda é ruim ou que as balas estão acabando não vai fazer de você um herói, e muito menos que o leão tenha pena de você”.

Por fim, faça bem feito sua parte, é o melhor que pode fazer por você mesmo.