Chegou o momento das pequenas e médias empresas no eSocial

Agora que as grandes empresas, ou seja, aquelas com faturamento acima dos R$ 78 milhões, completaram todas as fases de implementação do eSocial, chegou a vez dos demais negócios. A partir de julho deste ano, todos os outros empreendimentos, inclusive aqueles enquadrados no Simples Nacional e pessoas físicas que possuam empregados, são obrigados a enviar as informações fiscais, previdenciárias e trabalhistas por meio do programa do governo federal.

Assim como aconteceu com as grandes empresas, os negócios do segundo grupo também vão implementar o eSocial por fases. Na primeira, que passa a valer em 16 de julho, eles devem enviar apenas informações relativas às empresas, ou seja, cadastros do empregador e tabelas.

Na segunda fase, que começa em 1º de setembro, as empresas passam a ser obrigadas a enviar informações relativas aos trabalhadores e seus vínculos empregatícios (eventos não periódicos), como admissões, afastamentos e desligamentos.

Com a chegada da terceira fase, em 1º de novembro, é o momento de enviar os eventos periódicos, como os dados das folhas de pagamento. Em janeiro em 2019, na quarta fase, ocorre a substituição da GFIP (Guia de informações à Previdência Social) e a compensação cruzada. Por fim, na última fase, que ocorre no mesmo período da anterior, deverão ser enviadas as informações de segurança e saúde do trabalhador.

Eventos do eSocial

Em cada uma das fases, as empresas precisam enviar uma série de eventos, que estão divididos em três tipos: eventos iniciais e de tabelas, eventos periódicos e eventos não periódicos.

O primeiro grupo de eventos identifica o empregador e o contribuinte por meio de sua classificação fiscal e estrutura administrativa. Ele registra o cadastramento inicial dos vínculos dos empregados ativos, mesmo que afastados, no momento da implantação do eSocial.

O segundo grupo reúne os eventos que têm periodicidade previamente definida. São compostos por informações de folha de pagamento e de apuração de outros fatos geradores de contribuições previdenciárias, como os incidentes sobre pagamentos efetuados às pessoas físicas quando da aquisição da sua produção rural e o imposto sobre a renda retido na fonte sobre pagamentos à pessoa física.

O terceiro e último grupo, os não periódicos, inclui aqueles eventos que não têm uma data pré-fixada para ocorrer, pois dependem de acontecimentos na relação entre a empresa e o trabalhador que influenciam no reconhecimento de direitos e no cumprimento de deveres trabalhistas, previdenciários e fiscais, como a admissão de um empregado, a alteração de salário, a exposição do trabalhador a agentes nocivos e o desligamento.

Para saber o que significa cada um desses eventos, preparamos uma página que detalha essas e outras informações sobre o eSocial. Clique na imagem abaixo e veja como cumprir as obrigações de maneira correta:

Cultura do eSocial dentro das empresas

E não é apenas no aspecto burocrático que o eSocial provoca transformações. Há uma mudança também na cultura da empresa. Primeiro, pensando na parte operacional dessas obrigações, tanto os colaboradores quanto os responsáveis por esse trabalho precisam se acostumar com essa outra forma de enviar os dados. Por si só, isso já gera um grande impacto nas atividades administrativas.

Depois, também há o ponto da adaptação à tecnologia. Isso porque muitas empresas não estão acostumadas com essas soluções, pois ainda adotam modelos de trabalho manuais e pouco automatizados.

Mas, ao contrário do que podemos pensar em um primeiro momento, essa é uma oportunidade para sua empresa tomar um rumo diferente e modernizar seus processos. A partir de uma obrigação e da comprovação de que assim o trabalho realmente funciona melhor, o empresário pode ter a percepção de que chegou o momento de mudar.

Entra as opções que surgem nesse momento estão os sistemas integrados de gestão, os chamados ERPs. Essas soluções tornam o processo de administração das empresas muito mais dinâmico e assertivo, pois, além do trabalho operacional, também há a parte estratégica que surge com o fornecimento de informações preciosas do negócio.

Um exemplo de sistema integrado é o ERP Radar Empresarial, da WK Sistemas, que, entre outras funções, está adaptado às obrigações do eSocial. Com isso, sua empresa poupa tempo e recursos na implementação do programa. Se quiser conhecer melhor nossa solução, entre em contato com a gente! Nossos especialistas estão à disposição para tirar todas as suas dúvidas.

E para entender a importância do aspecto cultural e saber como chegamos ao modelo do eSocial, baixe o e-book que preparamos sobre o assunto. Clique na imagem abaixo e tenha essas informações sempre em mãos: